SIGA-NOS POR EMAIL:

segunda-feira, 8 de julho de 2013

POEMA PERSA:



Se te afastas, eu morro;
se te aproximas, eu desfaleço.
E assim eu vivo em chamas
e me extingo em delírios.
Ao ritmo das batidas do meu coração,
tu embalastes sonhos estranhos ao meu amor,
enquanto meu coração e o meus olhos
derretiam do teu desejo.
Seu olhar!
Atravessar o fogo sem arder
não é coisa tão espantosa
como o seu olhar.
Ah! como são breves as horas do encontro e seus prazeres!
Ah! como são longos os dias de ausência!
Vem e toma-me pela mão.
Eis que meu corpo se incendiou de todo o ardor do meu desejo.
Vem, e não me digas para esquecer.
Minha alma! Eu guardei-te carinhosamente sob o calor do meu peito,
e tu me escapas para correr para aquele que é a causa dos meus sofrimentos!
Minhas lágimas, correi! Ah, também vós me saltais das pálpebras por causa do cruel!
Apaixonadas lágrimas, também a vós tocou o amor do meu bem-amado!
Espalha para longe todas as mágoas do passado
e, sem sonhar com o futuro,
apanha este copo de onde se bebe o esquecimento,
ah!, embriaga-me totalmente!
Só de tocar sua mão,
todos os meus sentidos se aguçam e eu estremeço.
Como procederia eu, se visse o seu corpo,
no qual casam a limpidez da água e o ouro da luz?
Tua sombra,
queres estejas ausente ou próximo de mim
não me deixas nunca.
E minha língua, para alegria minha,
gosta de repetir teu nome, ó meu amor!
Os dias podem passar e o tempo correr,
mas jamais pode morrer o teu amor em meu coração.
Agora eu me dissolvo em chamas.
O teu rosto é o meu paraíso.
Vou morrer da minha sede ardente.
E no entanto os teus lábios poderiam me refrescar.
Mil e Uma Noites